A CHAVE PARA A PRODUTIVIDADE

 A CHAVE PARA A PRODUTIVIDADE
Compartilhe

Nessa corrida por produtividade, quem está disposto a respeitar o seu próprio tempo?

Esse é o conceito de gentileza cognitiva apresentado por Karen Yu, bacharel em Ciências Cerebrais e Cognitivas pelo MIT e Ph.D. em Psicologia pela Universidade Vanderbilt, em sua palestra no TEDxUniversityoftheSouth. 

Sob a sua perspectiva, se nos tratamos e nos cobramos da mesma forma que cobramos as máquinas ao nosso redor, desvalorizamos o nosso principal ativo: a nossa mente.

ONDA DE CANSAÇO

De acordo com Karen Yu, a gentileza cognitiva é a melhor alternativa, trazendo “generosidade e cuidado à maneira como tratamos o modo de pensar de cada um”. Não apenas sendo gentis uns com os outros, como também com nós mesmos.

Se não tomarmos cuidado, as nossas cobranças podem resultar em uma onda de cansaço, fazendo com que as buscas recentes por “autocuidado” no Google aumentem significativamente.

Tudo isso porque, ao contrário das máquinas que criamos para nos servir, o nosso cérebro é apenas um processador de informações. Ele não produz baseado em nossa demanda produtiva, e sim em sua própria capacidade de realizar sinapses e desenvolver ideias.

Fatores como descanso, conforto e bem-estar exercem influência direta em nossa produtividade. Afinal, a mente precisa de um ambiente propício para criar, e cabe a nós proporcionarmos esse espaço.

Nesse sentido, a gentileza cognitiva é uma das melhores formas de autocuidado que temos disponíveis.

MAS NEM TUDO ESTÁ PERDIDO

Apenas em 2020, os pedidos de afastamento do trabalho devido a transtornos mentais aumentaram 26% em relação a 2019. Ao todo, tratam-se de 576 mil solicitações, segundo a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho.

O número é impressionante, mas não diz respeito apenas ao autocuidado individual. Se as pessoas forem esperadas a dar o seu máximo o tempo todo, suas mentes não são capazes de entregar essa consistência. Então, adoecem, e cobram pelo cuidado que ficou faltando.

Dessa forma, a cobrança excessiva, tanto da própria pessoa como de seus colegas, resulta em mal-estar e ansiedade. Mas nem tudo está perdido: ferramentas como a escuta ativa, a empatia e a gentileza cognitiva são especialmente valiosas nos últimos meses.

Esses esforços devem ser tanto individuais quanto coletivos, e devem ser exercitados diariamente.

Respeitando as nossas limitações

Karen Yu entende a mente humana como o nosso ativo mais valioso, tanto individualmente quanto coletivamente. O seu potencial é infinito, e nos possibilita a concepção de ideias inéditas.

Apesar disso, a mente humana é limitada, e parece que nos esquecemos disso ao longo do tempo. Então, a proposta de Karen Yu é de que a gentileza cognitiva esteja presente em tudo o que fazemos, criamos e desenvolvemos.

Só assim as cobranças serão condizentes com a nossa disponibilidade produtiva, e só assim faremos parte de um sistema que respeita as nossas limitações individuais.

Comece hoje mesmo!


Compartilhe