A IMPORTÂNCIA DE DIZER “NÃO”: ENTENDENDO OS IMPACTOS NA SAÚDE MENTAL E NAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS

 A IMPORTÂNCIA DE DIZER “NÃO”: ENTENDENDO OS IMPACTOS NA SAÚDE MENTAL E NAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS
Compartilhe

Especialistas alertam sobre os efeitos prejudiciais à saúde mental quando se evita dizer “não” nas situações cotidianas, enfatizando a relevância de se estabelecer limites saudáveis nas interações sociais e afetivas.
Maycon Rodrigo Torres, psicólogo e professor, destaca a carga emocional associada à negação, indicando que a preocupação com a percepção alheia pode ser um fator impeditivo ao expressar uma recusa. Já a psicóloga especialista em emoções, Luana Ganzert, ressalta que a aceitação social é uma necessidade básica que pode ser ameaçada pela negativa a pedidos e favores.
A prática constante de priorizar os desejos dos outros em detrimento dos próprios, segundo os especialistas, pode resultar em um “apagamento” dos limites pessoais, conduzindo a sobrecargas mentais e, em alguns casos, a problemas crônicos de saúde mental, como a ansiedade. Os impactos podem permeiar diferentes áreas da vida do indivíduo, afetando o sono, o desempenho profissional e acadêmico, e até mesmo resultando em relacionamentos prejudiciais.
Luana aponta que o receio de dizer “não” muitas vezes é impulsionado pela insegurança ou pela tentativa de evitar conflitos e desconfortos. “Ao consentir continuamente, você negligencia o cuidado consigo mesmo. Aceitar tudo é, em certo sentido, um silenciamento emocional”, alerta a especialista, destacando que este comportamento pode conduzir a cenários de sofrimento silencioso e, em algumas instâncias, prejuízos financeiros.
A psicóloga Gislene Erbs, em seu novo livro “Sim ou Não – A difícil arte de colocar-se em primeiro lugar na sua vida”, explora a jornada para a prática do autoconhecimento e a importância de estabelecer limites, ofertando ao leitor ferramentas e reflexões acerca da capacidade de negação assertiva.
Gislene argumenta que é fundamental respeitar-se e, por vezes, optar pela própria saúde mental e bem-estar ao responder aos pedidos alheios. “Sua felicidade começa pelo respeito a si mesmo”, enfatiza.
A autora oferece diversas abordagens e técnicas para quem busca reforçar sua habilidade em dizer “não”, ao mesmo tempo mantendo relacionamentos saudáveis e construtivos. Ela destaca a valorização pessoal e a autoestima como pilares para decisões assertivas e positivas, tanto para si quanto para os envolvidos.
Dessa forma, o ato de dizer “não” emerge não apenas como uma expressão de negação, mas como uma prática de afirmação do próprio valor, força e, inesperadamente, como um meio de fomentar relações mais honestas e saudáveis.


Compartilhe