A INVENÇÃO DA RODA E O IMPACTO DE NOVAS TECNOLOGIAS

 A INVENÇÃO DA RODA E O IMPACTO DE NOVAS TECNOLOGIAS
Compartilhe

A analogia da invenção da roda é maravilhosa, porque conta a maior verdade sobre qualquer tecnologia: o que realmente importa é o que foi possibilitado por ela.

O que muda o mundo não são tecnologias. São possibilidades.

Porém, são as tecnologias que abrem esse universo de possibilidades. Então, criamos empresas, dedicamos anos de estudos e desenvolvemos a próxima invenção que mudará o mundo. 

Mas, como sabemos, nem todas são bem sucedidas. E não por falta de relevância. 

Para Tron Arne Undheim, futurista, ex-diretor do MIT Startup Exchange e autor de “Future Tech: How to Capture Value from Disruptive Industry Trends”, uma inovação que permita novas possibilidades não é tudo. 

Em seu livro, o autor afirma que “A verdadeira mudança só é possível com a colaboração de ciência e tecnologia, política e regulamentação, novos modelos de negócios ou compartilhamento de economia e dinâmica social”.

O que, em outras palavras, diz que a busca incessante por disrupção não levará a uma verdadeira mudança se quatro forças não trabalharem juntas, sendo elas: ciência, tecnologia, política e regulamentação.

A FÓRMULA DA DISRUPÇÃO

Para muitas pessoas, existe uma fórmula para a disrupção.

Essa é a ideia por trás do livro “O ponto da virada” de Malcolm Gladwell e do artigo “Padrões de ruptura: Antecipando estratégias disruptivas em um mundo de unicórnios, cisnes negros e exponenciais” da Deloitte, entre muitos outros.

Para Undheim, essa fórmula também existe. Qualquer pessoa que entenda a fundo as suas quatro forças seria capaz de prever as disrupções do futuro.

Isso também significa que a tecnologia é só uma parte do todo. Segundo ele, “O objetivo é ir além de simplesmente considerar uma única força – a tecnologia”. Adicionalmente, “estou profundamente empenhado em compreender o futuro, mas para fazer isso bem, é necessário ter uma estrutura em vigor.”.

E a sua estrutura considera um cenário macro: um cenário que também entenda o impacto da ciência, política e regulamentação nas disrupções.

Talvez seja por isso que tecnologias relevantes não cheguem a mudar o mundo.

MELHORIAS INCREMENTAIS

Se buscamos um grande salto, não podemos nos contentar com pulos tímidos. E, para o Undheim, a magnitude do impacto é o que mais importa. Naturalmente, ela precisa de mais estrutura.

Melhorias incrementais não causam a disrupção que o mundo dos negócios busca nos últimos anos, mas nos ensinam a fazer diferente. Sabemos que a tecnologia é só o começo.

Diante de tecnologias exponenciais, as ondas de inovação acontecem cada vez mais rápido. Com um pouco mais de impacto nas forças definidas por Undheim, podemos estar diante da próxima grande disrupção.

Então, com quatro forças, é possível revolucionar uma indústria. E ninguém precisou inventar a roda de novo.


Compartilhe