BRAIN E RACING: CORRIDAS DE DRONES CONTROLADOS PELA MENTE

 BRAIN E RACING: CORRIDAS DE DRONES CONTROLADOS PELA MENTE
Compartilhe

Para competir em uma modalidade esportiva é preciso ter foco, coordenação motora,  disciplina e treinamento físico. Para competir em uma corrida de drones controlados pela mente, basta o foco. 

Desde a conexão entre a realidade virtual e o entretenimento, as indústrias buscam por novas oportunidades tecnológicas para aprimorar a experiência dos usuários. Entre os principais lançamentos, tivemos os óculos de realidade virtual, aplicativos de realidade aumentada e até mesmo séries de televisão interativas. O que não faltaram foram oportunidades de aprimorar a indústria do entretenimento – especialmente a dos jogos.

Entre as principais tecnologias, temos as interfaces entre cérebro e computador.

Jogos, séries e filmes são bons, mas quando podem interagir conosco são muito melhores: É o que indica a tendência de personalização das experiências dos usuários.

PERSONALIZAÇÃO EM DADOS:

83% entre 250 líderes e profissionais de marketing investiram em experiências personalizadas aos seus consumidores (iProspect, 2020)

Comunicações personalizadas aumentam a fidelidade e ampliam a receita da organização em até 30% (McKinsey, 2020)

Clientes que encontram serviços e produtos adaptados às suas experiências estão dispostos a desembolsar até 20% mais (Deloitte, 2017)

Os clientes demandam personalização, e as empresas Buscam formas de oferecê-la.

Entre uma das oportunidades, temos as interfaces entre cérebro e computador, que estão se tornando cada vez mais populares, acessíveis e portáteis. Com o poder de coletar, analisar e executar dados cerebrais, essas interfaces proporcionam experiências únicas e personalizadas para cada jogador. O que, em outras palavras, significa que cada comando pode ser executado sem o movimento de um único músculo, tudo com o poder da mente.

Apesar de seu enorme potencial, essas interfaces ainda geram estranhamento nas pessoas, que não estão familiarizadas com a ideia de mover objetos com a mente. Afinal, a telecinese era restrita ao mundo da ficção até poucos anos atrás.

Foi aí que a Universidade da Flórida surgiu com a ideia de corridas de drones controlados pela mente: não apenas demonstrando o que já era possível de ser realizado, mas também aproximando as pessoas da tecnologia de forma prática e divertida.

Estamos realmente falando de corridas de drones controlados pela mente, sem pegadinha.

Para que a ideia funcionasse, bastou unir 16 pilotos e calibrar headsets para o cérebro de cada jogador. Ou seja, analisar a forma como os comandos são traduzidos no cérebro, entender os padrões de atividade e gravá-los no dispositivo para que possam ser compreendidos posteriormente.

Uma das características mais importantes desse tipo de corrida é que ela independe de habilidades físicas, de treinamento prévio, e muito menos do gênero dos jogadores. Quando falamos de Brain eRacing, o nome dado ao e-sport referente a essas corridas, falamos de acessibilidade a pessoas com mobilidade física reduzida; falamos de um esporte inclusivo.

O único fator que demonstrou certa influência no resultado dos jogadores foi a concentração.

Mas temos a explicação: a força da atividade cerebral está relacionada à concentração do jogador, e, quanto mais forte ela é, mais certeiro é o movimento do drone.

O fenômeno foi comentado por Chris Crawford, cofundador da Brain-Drone Racing League: “Ainda estamos tentando entender as características que fazem de alguém um bom piloto de drones controlados pela mente, mas sua capacidade de permanecer focado e bloquear as distrações do ruído […] geralmente influenciam seu desempenho.”

A partir dessa nova modalidade esportiva podemos concluir que a personalização do mundo à nossa volta está cada vez mais próxima, e ela pode vir na forma de corridas de drones. Mas, para quem não se interessar, podemos ter também jogos personalizados e séries interativas .

Ao que tudo indica, as interfaces entre cérebro e computador são o futuro da tecnologia. Preparem seus drones e headsets.


Compartilhe