POR QUE ESTAMOS TÃO CANSADOS?

 POR QUE ESTAMOS TÃO CANSADOS?
Compartilhe

Se você já passou por algum tipo de bloqueio criativo, com certeza você descobriu uma das verdades mais conflitantes com o nosso estilo de vida atual: o nosso cérebro não é produtivo o tempo todo. 

Não existe referência, método milagroso ou esforço o suficiente para compensarmos um cérebro cansado. E nem todo mundo entende isso muito bem. 

No Brasil, tivemos um aumento significativo nas buscas no Google pela palavra “autocuidado”, que sofreu um boom a partir do ano passado, de acordo com o Google Trends. Especificamente, no começo de abril, que também foi o começo das medidas de isolamento no país.

Muitas vezes a palavra é associada a momentos de prazer, como comer doces, cuidar da pele, ou tirar um tempo para si no geral. Entretanto, autocuidado pode ser toda e qualquer tarefa que nos faça bem de alguma forma, ou que evite que nos prejudiquemos no futuro – como procrastinar uma tarefa importante. Dessa, somos todos culpados.

Mas será que estamos praticando autocuidado em outras áreas da nossa vida?

Uma das pesquisas mais recentes da Microsoft diz que não, especialmente no trabalho.

A exaustão depois de reuniões consecutivas

Para muitas pessoas ao redor do mundo, o trabalho remoto ou híbrido se tornou a norma.

Se, por um lado, os funcionários podem dispor do conforto de suas casas, por outro, os horários de trabalho tornam-se mais flexíveis, as reuniões mais frequentes e o trabalho mais volumoso. O que foi uma surpresa, já que a maioria dos gestores acreditava que os funcionários não renderiam tão bem a distância.

Depois de mais de um ano de isolamento social e exigência por produtividade, compartilhamos do mesmo sentimento: a exaustão. Especialmente quando acabamos uma sequência de reuniões consecutivas.

O problema é que não existe autocuidado que aguente tanta cobrança por produtividade. De acordo com a pesquisa, precisamos de pausas – nem que sejam cinco minutos entre reuniões. E, se a preocupação é com a nossa produtividade, a pesquisa demonstra que ficamos mais focados e engajados quando temos tempo para pensar entre as atividades.

Ou seja, pausas também são autocuidado.

O papel da Neurotecnologia nessa descoberta

A Neurotecnologia, enquanto área de estudo sobre o cérebro, é capaz de demonstrar a nossa atividade cerebral ao longo do tempo, em diferentes cenários. Não apenas os nossos níveis de cansaço, como também o nosso foco e índices de produtividade.

Através de um headset capaz de monitorar a atividade cerebral, os pesquisadores conseguem identificar as nossas emoções e inclinações em tempo real. E a expectativa é que seu uso se torne cada vez mais frequente, e as possibilidades cada vez maiores.

Podemos até utilizá-los no entretenimento, para experiências mais personalizadas.

Soluções possíveis para o cansaço

Além de tirarmos pausas curtas entre as tarefas, a ideia é instaurar uma cultura de autocuidado nos ambientes de trabalho, na qual os funcionários possam tirar cinco minutos de pausa entre as reuniões.

Existe uma sabedoria popular de que algumas reuniões poderiam ter sido e-mails. Ela se tornou ainda mais verdadeira no último ano, e é uma reflexão importante. Frequentemente, a resposta é sim. A reunião poderia ter sido um e-mail.

Por fim, a comunicação é uma ferramenta poderosa. Talvez o restante da empresa também esteja se sentindo cansado, e vocês podem trabalhar juntos para mudar esse cenário.


Compartilhe