ROBÔS JÁ SÃO CAPAZES DE CODIFICAR

 ROBÔS JÁ SÃO CAPAZES DE CODIFICAR
Compartilhe

Dos criadores de robôs autoconscientes, vêm aí robôs que sabem codificar. 

Para robôs que funcionam a base de código, a perspectiva é fascinante. E foi desenvolvida por dois bons motivos: não só existe uma escassez de mão de obra qualificada para cargos de tecnologia, de acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), como o processo de desenvolvimento e manutenção de softwares consome muito tempo e é passível de erros.

Então, a ajuda da inteligência artificial é bem-vinda para ajudar com os desafios do setor, que só deve aumentar nos próximos anos. Segundo a previsão da Brasscom, o setor deve abrir cerca de 290 mil vagas até 2024

Então, como garantir o crescimento da indústria?

PROGRAMAÇÃO DE MÁQUINA

A visão de Justin Gottschlich, Líder de Pesquisa de Programação de Máquina da Intel Labs, é fascinante e nos ajuda a visualizar esse cenário a longo prazo:

“Eu acredito que podemos criar uma sociedade onde todos podem criar software, mas as máquinas vão lidar com a parte de programação”. Para essa ideia, foi atribuído o nome “programação de máquina”.

Afinal, quanto tempo será que é investido na identificação de erros em códigos, na correção de bugs ou no aprendizado de uma nova linguagem de programação? Será que essas tarefas não poderiam ser automatizadas para desenvolvedores dedicarem o seu tempo sendo criativos e disruptivos?

Para Justin, esse é o futuro da programação.

AUTOMAÇÃO ASSISTIDA

A obra metalinguística de robôs codificando já é realidade e se chama GitHub Copilot.

Ele nada mais é do que uma ferramenta capaz de automatizar algumas das tarefas entre a idealização de um software e sua construção, mas faz isso de forma inteligente, propondo melhorias e até escrevendo funções inteiras. De certo, muito útil para desenvolvedores.

E, como de praxe com inteligências artificiais, elas podem ser treinadas a partir de um banco de dados – o que chamamos de machine learning. Assim, sendo capazes de extrapolar esse conhecimento e respondendo a novos desafios.

Quanto mais ela aprende, mais ela nos ajuda. E, quanto mais a usamos, mais ela aprende.

É um belo exemplo do que chamamos de automação assistida.

O FUTURO DA PROGRAMAÇÃO AUTOMATIZADA

Por enquanto, o GitHub Copilot está disponível apenas como uma prévia técnica, mas por si só é um grande salto para a indústria.

Nos próximos anos, ferramentas de programação de máquina devem ser inseridas no mercado, visando atender toda a sua demanda e impulsionar a inovação de diversos setores. E, com elas, seremos capazes de eliminarmos desperdício e a otimizarmos esforços, mas tudo dentro do nosso controle.

Mecanismos de segurança também devem ser melhor desenvolvidos nesse futuro da programação automatizada, compreendendo melhor as necessidades dos usuários, evitando sugestões tendenciosas ou trechos de código de baixa segurança.

No futuro, ferramentas como essa poderão ser muito úteis, mas ainda exigem um desenvolvedor experiente para extrair o máximo da tecnologia.

Quantas inovações poderão ser desenvolvidas a partir dessa ferramenta?

Seu potencial é gigantesco.


Compartilhe